AO VERDADEIRO GOVERNANTE DO MUNDO

Paul Brunton (1898 – 1981) – escritor inglês, é admirado em todo o mundo por sua habilidade em adaptar a sabedoria tradicional às condições atuais.

GRATIDÃO E DÍZIMO

          Dar o dízimo é uma prática que começou no Antigo Testamento, quando o povo de Deus tinha a ordem de dar a décima parte das suas colheitas e rebanhos.

          No entanto, no Novo Testamento, não há nenhuma lei ou recomendação que obrigue a dar a décima parte do seu rendimento. Pessoas dão mais, menos ou não dão.

          Apesar disso, é possível ver que a atitude de dar é encorajada na Bíblia, sendo que as pessoas devem dar de acordo com o seu coração e com alegria, e não por obrigação.

* * *

Diz Huberto Rohden:

 Não digas: Quanto do meu dinheiro dou a Deus?  Dizes antes Quanto do dinheiro de Deus guardo para mim!

          Essa frase está escrita numa placa de uma fábrica de máquinas de terraplanagem de um grande industrial norte americano.
Esse homem descobriu que nós não temos dinheiro algum e que tudo pertence a Deus, entretanto você pode ser o administrador de Deus e tirar para você sua parte da comissão.                Esse homem no princípio tirava 10% para Deus e 90% para si. Depois de certo tempo inverteu as cotas dá 90% para Deus e fica com 10%. Entretanto Le Torneau não se considera proprietário de nada apenas administrador, porque todo o dinheiro que possui pertence à humanidade e a Deus. Ele mudou do ter para o ser.
“Quem não renunciar a tudo que tem não pode ser meu discípulo”, diz o Cristo.

* * *

Diz Joel Goldsmith:

          Quando o dízimo é exercido esperando uma recompensa, isto constitui uma farsa. Quando a gratidão ou o dízimo tem que ver com a espera de algum bem futuro, isto não tem valor. Mas, quando a gratidão é expressa ou o dízimo é praticado porque uma inspiração foi recebida, um certo conhecimento foi alcançado ou obtido algum entendimento através dele, isto então continue gratidão verdadeira.

     * * *

          O dizimista sabe destinar sua doação voluntariamente à organização humanitária ou religiosa à qual está filiado, sentindo-se feliz nesta atitude.

“Há mais felicidade em dar do que em receber”.  

O SONO DA MORTE

Hoje a humanidade do aquém saúda a humanidade do além. E todos em espírito e verdade…

          … Todos os grandes gênios da humanidade falam da morte como um “sono”. “Nosso amigo Lázaro dorme”, diz Jesus; a filha de Jairo “dorme”. A palavra grega “koimitérion”, de que resultou em latim “coemiterion”, de que resultou em português “cemitério”, quer dizer “dormitório”. Os primeiros discípulos de Jesus, ainda no período duma luminosa intuição espiritual chamavam os cemitérios de “dormitórios”, porque sabiam que não havia morte definitiva.

          A vida continua lá onde parou. Não pode um processo material e meramente negativo, como é a destruição do organismo físico, modificar essencialmente a vida do homem. Não pode a morte negativa fazer o que a vida positiva não faz. A verdadeira mudança depende de algo que o homem faz, e não de algo que sofre, porque nós é que  somos os autores de nosso destino…

* * *

(Trecho do capítulo “Não creias em morte real” do livro “O caminho da Felicidade” de Huberto Rohden).

NOVEMBRO 2018

DIA DO LIVRO

Sugiro estes três grandes livros milenares.

Bhagavad Gita tem 7000 anos e nasceu na Índia – tempo dos Vedas.

Tao Te King é de 600 anos antes de Cristo – contemporâneo do Buda.

O Evangelho do Cristo tem 2000 anos – parte do Novo Testamento da Bíblia.

Vejam que são bastante usados, pois eu sempre os leio.

Apesar de milenares são bem atuais.

Estes três da foto são traduções de Huberto Rohden com comentários.

Vale lembrar também que no tempo de Jesus não havia analfabetos entre os Hebreus porque eles tinham que ler os livros sacros.

Tem também uma vasta literatura atualmente baseada nos ensinamentos eternos.

VERDADE SEM VÉU

À luz crepuscular da fé corre a vida presente…

Nada sabemos – tudo cremos…

A vida é um sonho – disse um grande pensador…

A morte é um sono – disse o Divino Mestre…

Entre o sonho e o sono desliza a nossa existência terrestre…

Quais sonâmbulos, inconscientes, semiconscientes, tateamos em plena escuridão.

Como que refletidas em espelho nos aparecem todas as coisas…

Qual enigma e parábola se nos afigura o mundo circunjacente…

Mas, quando terminar o crepúsculo da fé e chegar o meio dia da experiência direta de Deus, então cairão os véus de todos os enigmas e aparecerá a eterna Realidade – Deus.

Conhecemos então todas as coisas do espírito e em verdade, porque as veremos em Deus…

Do crer para o saber!

Do parecer – para o Ser...

Do livro: EM ESPÍRITO E VERDADE de Huberto Rohden

A VERDADE VOS LIBERTARÁ

Do livro: EM ESPÍRITO E VERDADE

         “A verdade vos libertará”… Oh! Palavras dulcíssimas!

          Quando as proferiste, iguais, inteligente Aristóteles?

          Quando escreveste beleza análoga, divo Platão?

          “Que é a verdade”? Pergunta Pilatos àquele que era a verdade personificada.

          – A verdade, ó desdenhoso céptico romano, não é nem mais nem menos que o reflexo da realidade eterna, absoluta, infinita, dentro do nosso espírito.

          A verdade é Deus mesmo, a suprema e única realidade.

          O que Jesus nos revelou do reino de Deus e do reino da alma, isto é a verdade, porque é a realidade. Não é especulação incerta. Não é quimera. Não é utopia. É verdade puríssima.

          Toda ilusão, ainda a mais bela e blandiciosa, é escravizante. Todo erro, ainda o mais caro e querido, asfixia a alma, aniquila os voos do espírito.

          A verdade, embora amarga e árdua, liberta a alma do peso morto do ego personal.

          Só entrarão na Terra da Promissão os filhos da liberdade.

          É pela fé que estabelecemos a harmonia entre a Realidade Universal e a nossa realidade individual.

          A fé vem da realidade e vai para a realidade.  Parte da plenitude do Ser e termina na plenitude do Ser.

          Na fé está a liberdade porque nela habita a verdade.

          Onde impera a fé canta a liberdade do espírito – onde reina a descrença geme a escravidão da matéria…

“A verdade vos libertará”…