DEZEMBRO

dezembro

AÇÃO DE GRAÇAS

dia-de-acao-de-gracas

OBRIGADA PELA VIDA E POR FAZER PARTE DA CREAÇÃO.

QUE POSSAMOS ENXERGAR DEUS DENTRO DE CADA UM DE NÓS E EM TODAS AS MANIFESTAÇÕES!

SANSARA, NIRVANA…

sansara

 

PARA PENSAR

(trecho de uma aula dada pelo Professor Huberto Rohden em 26 de maio de 1963 – nos convida a ser sinceros conosco mesmos) 

    Meus amigos, vamos mais uma vez tentar sair do sansara e entrar no Nirvana; vamos sair do círculo vicioso do nascer, viver e morrer que é o círculo vicioso do sansara. Corremos muito sem adiantar nada; fazemos como certos animais engaiolados que não param, giram, e estão sempre no mesmo lugar. Nós estamos nessas gaiolas giratórias que no Oriente se chama sansara; círculo vicioso: nascer, viver e morrer sem adiantar um passo para frente.

    Mas podemos romper essa estranha e alucinante fascinação, essa alucinação do nascer, viver e morrer. É preciso sair do círculo em linha reta pela tangente rumo ao Nirvana do Infinito; desiludirmo-nos finalmente, de toda a ilusão para sermos libertos pela linha reta da verdade.

            “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” de todas as inverdades, de todas as ilusões, de todos os sansaras da vida quotidiana. Neste momento nós vamos entrar na linha reta do Nirvana.

Quem sou eu? – Sou eu, este ego alucinado e alucinante?

(a aula completa pode ser adquirida por e-mail: ihgomes@hotmail.com -)

POSIÇÃO OCIDENTAL PARA A MEDITAÇÃO

sem-titulo

(De uma aula de Huberto Rohden)

     Na meditação é necessário que o nosso corpo assuma uma atitude conveniente, corpo ereto, verticalizado. Não assumam atitude artificial, mas fiquem em atitude natural como Deus nos fez.

    A espinha dorsal está na vertical, mas ela tem duas curvas ligeiras; essas curvas naturais não precisam ser eliminadas, pois se o fizéssemos, seria artificialismo. Mas, apesar disso, a coluna vertebral está em atitude vertical.

     Não cruzamos as pernas durante a meditação; colocamos as pernas em dois ângulos retos – formando um ângulo reto com o corpo e outro ângulo reto com os joelhos. Isto é atitude natural que alguns chamam egípcia.

     Colocamos as mãos sobre as pernas, junto ao corpo, com as palmas para cima, por ser de utilidade, por causa do alto magnetismo que as palmas irradiam.

      Conservamos os olhos semifechados.

     No princípio da meditação fazemos três ou quatro inalações e exalações profundas e completas, – porque isto purifica o corpo, regulariza as vibrações dos nervos. Mas essas inalações e exalações profundas, não devem fazê-la durante a meditação. Durante a meditação não pensamos na respiração. Ela se torna muito leve e superficial, – não convém forçá-la. Agora vem o mais difícil:

– Ultrapassar a nossa consciência física, (sentimentos);

– A nossa consciência mental, (pensamentos);

– A nossa consciência emocional, (desejos).

Deixar tudo isto para trás e entrar, plenamente, na consciência espiritual.

MORTE DO EGO E MORTE FÍSICA

egocidio

       “Morre antes de seres morto – e viverás plenamente!

       Este é o alfa e o ômega da vida espiritual de todo homem.

       É este o cruzamento da misteriosa fronteira entre os dois mundos: – o mundo das trevas do profano e o mundo da luz do iniciado.

       Morre espontaneamente, antes de ser morto compulsoriamente, – e viverás gloriosamente, agora e para sempre”.

Huberto Rohden

“Eu morro todos os dias – e é por isso que eu vivo – mas, já não vivo eu, é o Cristo que vive em mim”.

Paulo de Tarso

* * *

       Os livros sacros nos convidam ao egocídio, antes da morte física que acontece a todo homem seja por acidente, doença ou velhice.

   Aqueles que tiveram a morte física sem ter morrido espontaneamente no seu ego, prestará contas no tribunal de Deus.

       Que Deus tenha misericórdia dele, e lhe dê uma chance, e assim como o filho pródigo, ele se reconcilie com a casa do Pai Eterno!

 Amém!

NOVEMBRO

novembro

FUGA DA INFELICIDADE

narcoticos

(Extraído de uma palestra de Huberto Rohden)

   Todos querem serem felizes, pouquíssimos o conseguem; porque não fazem, não preenchem as condições necessárias  para a sua felicidade. Fazem camuflagem e charlatanismo de toda espécie para serem felizes. Vão até aos narcóticos, entorpecentes, em busca da felicidade. E quando conseguem abafar por algum tempo a sua infelicidade dizem que são felizes. É a velha ilusão. É claro que podemos narcotizar temporariamente a nossa infelicidade! Não é necessário nenhum artifício divino para isto. E pensam que são felizes porque não sentem a sua infelicidade por uma hora, por uma noite ou por alguns dias.

   Outros recorrem a toda espécie de distrações e derivativos e como no momento não sentem a sua infelicidade, acham que são felizes. Depois volta redobrada a mesma infelicidade que eles quiseram abandonar. Esta é a velha insincera camuflagem; e esse charlatanismo perdura há séculos e milênios na humanidade. Vamos continuar assim ou vamos ser finalmente sinceros conosco mesmos e dizer:

   – Não, narcotizar a minha infelicidade não é curar a minha infelicidade. É remediar, mas remédio não é cura. Remendo novo em roupa velha não é cura. É preciso despojar-se da roupa velha do homem ego e revestir-se na túnica nupcial do homem novo, da nova creatura em Cristo. Nós não queremos remédios nem remendos, queremos cura. E todo remédio, todo remendo é camuflagem, é charlatanismo com o qual não podemos contentar-nos.

Vamos, portanto, à raiz do mal para curá-lo e não apenas remediar e remendar.