‘MEU JUGO É SUAVE E MEU PESO É LEVE”

jugo suave

Este texto é a síntese de uma brilhante palestra de Rohden dada em retiro. O áudio está muito mal gravado, mas foi possível decifrar a ideia central do filósofo. Recomenda-se a leitura do assunto no livro: “Filosofia Cósmica do Evangelho”.

 Como é que nós podemos compreender a linguagem do divino Mestre?

Ele, que é considerado nos autos das religiões e nas igrejas como o rei dos mártires? E nós não somos candidatos ao martírio!…

Ele que foi perseguido mesmo antes de nascer! Nem nasceu numa casa descentemente humana, mas num estábulo de animais.

E como é que a vida dele foi suave e o peso leve e não jugo amargo e peso pesado?

Depois de nascer quiseram matá-lo, ele teve que fugir para terras estranhas e lá ficar diversos anos para não ser morto. E depois que voltou destas terras, se escondeu lá nas montanhas da Galileia numa pobre carpintaria; e lá ficou até os 30 anos porque o mundo não o quis. Não havia lugar para ele.

Finalmente entrou na vida pública. E o martírio continuou pior do que nunca. Reuniu os discípulos, curou os doentes, ressuscitou os mortos, disse grandes verdades…

E o que o mundo disse dele? Que ele era um subversivo, ele era inimigo do governo romano, proibia de dar tributo a César. Era um blasfemo, aliado de satanás, trabalhou na magia negra para curar… Foi considerado louco…

 Tudo isto seus inimigos disseram dele. Isto é vida suave e peso leve?…

Se não somos do espírito do Mestre, se ainda andamos nos caminhos tortuosos do nosso ego em que tudo isto é horrível, ser atraiçoado pelos amigos, ser vilipendiado pelos inimigos, ser abandonado por todos, ser traído com um beijo, ser condenado, açoitado, crucificado e morto… Isto, nós não podemos compreender porque não somos realmente discípulos dele.

Esta é outra linguagem, não é a linguagem de todos nós, por isto não o podemos compreender. E há dois mil anos esta linguagem paradoxal do Mestre ecoa no seio da humanidade.

Alguns de nós já chegaram ao ponto de compreender isto. Viveu lá na longínqua Índia, um discípulo do Cristo, que não era oficialmente seu discípulo, mas era verdadeiramente seu discípulo, e disse ele: – “nunca ninguém me ofendeu, eu não tenho que perdoar nada a ninguém, nunca ninguém me ofendeu”.

Sempre um ou outro compreendeu a linguagem que ele disse aos seus discípulos, mas muitos não compreenderam nada.

Quando Judas avançou contra o Mestre, o atraiçoou com um beijo, e o entregou à legião de inimigos ele disse: “– amigo, a que vieste”? Ele não avançou nele, ele não mandou avançar.

Lá da Índia alguém compreendeu isto e alguns também compreenderam. Não se vinga dos seus inimigos, nem sequer perdoa os seus inimigos, simplesmente não toma nota da ofensa.

2 responses to this post.

  1. Posted by Sérgio Cavalini on 15/04/2015 at 18:19

    Iris,

    Quando sintonizamos com as potencialidades latentes do nosso Atman, nosso sagrado Cristo interno, nos deparamos com essa paz que o Divino Mestre chama de” jugo suave e peso leve”, apesar de todas as adversidades externas.
    Se conseguirmos manter a consciência na qual o Cristo é uma realidade imanente, presente nas 24 horas do nosso dia, seremos mais livres e felizes, e não ficaremos mais a mercê das circunstâncias escravizantes do nosso ego, esse tirano de todas as horas.

    Responder

    • Sérgio, vale lembrar esta maravilhosa afirmação:
      “eu afirmo a soberania da minha substância divina apesar de todas as tiranias das circunstâncias humanas”.

      Responder

OBRIGADA A TODOS QUE VISITAM, LEEM E COMENTAM ESTE BLOG.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: