UM COQUEIRO E UM COQUINHO

coqueiro e coquinho

        Era uma vez um grande coqueiro de 10 metros de altura. E ao pé dele um coquinho de um ou 2 cm de diâmetro.

        E o coqueiro disse ao coquinho: tu és o que eu sou.

        E o coquinho respondeu: eu não sou o que tu és. Tu és uma árvore de 10 m de altura e eu sou uma sementinha de 1 a 2 cm.

        – Não, disse o coqueiro, eu não estou referindo à tua casca. Estou me referindo a teu germe vivo, a tua casca não é viva. Tu és no teu germe o que eu sou na minha vida. Porque a vida do teu germe é a mesma vida que está em mim.

        – Como disse o coquinho. Eu serei algum dia como tu és agora?

        – Tu serás também externamente o que já és internamente o que eu sou. Porque a nossa essência é a mesma, a nossa existência é diferente. A qualidade é a mesma, apenas a quantidade é diferente.

         – E o que tenho que fazer, perguntou o coquinho, para ser o que tu és?

        – Bem, disse o coqueiro, o teu invólucro tem que se desintegrar. Então tu serás também o que eu sou.

        – O que é isso, desintegrar? Quer dizer que eu vou morrer?

         – Não, tu não vais morrer, porque se morresse nunca te tornarias coqueiro. Tu não vais morrer. O teu invólucro, algo ao redor de ti que agora te está protegendo, isto tem que desintegrar-se. Isto agora é um auxílio para ti. A casca. Mas daqui a pouco será um empecilho e este empecilho tem que ser destruído para que o teu conteúdo possa expandir-se.

         E o coquinho a princípio não quis crer que ele fosse morrer; porque ele estava olhando sempre para a sua casquinha morta, que não era viva…, a casca dura. Mas ele nunca tinha pregado os olhos no seu germe vivo porque a vida não é coisa visível, só a casca é visível. Estava limitada em sua casca e tinha pavor de sua chamada desintegração. Pensava que ele ia morrer e não alguma coisa que ele tinha ao redor de si.  Não tinha autoconhecimento como nós diríamos em linguagem popular. Ele se confundia com o que ele tinha e não se identificava com o que ele era de fato.

         Esse é o mal de todos nós. Não sabemos o que somos…

(Trecho de uma palestra de Huberto Rohden)

OBRIGADA A TODOS QUE VISITAM, LEEM E COMENTAM ESTE BLOG.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: